BateristasPT.com

BateristasPT.com (http://www.bateristaspt.com/forum//forum/forum.php)
-   Debates técnicos (Workshop, Clínica e Masterclasse "virtual") (http://www.bateristaspt.com/forum/forumdisplay.php?f=12)
-   -   Poliritmos (http://www.bateristaspt.com/forum/showthread.php?t=6)

João Timbalão Seg, 3 de Abril de 2006 10:18

Poliritmos
 
1 Anexo(s)
África é a mãe de todos os ritmos e onde a poliritmia é uma coisa natural que não se explica, sente-se e faz-se. Nós ocidentais temos por vezes que teorizar para entender e então sentir.
Poliritmia é uma mistura de ritmos com um número de tempos base diferente mas que se encontram no denominador comum.
Polimetria ou modulação métrica é uma frase ou malha passar para lá da barra de compasso, provocando que se tem que tocar um determinado nº de compassos até se sincronizar de novo os uns. As duas noções são idênticas, uma refere-se a ritmos, outra a medidas (compassos).
Começando com um ritmo base de 4 tempos em que contamos 1 2 3 4 1 2 3 4 sucessivamente, aplicamos uma acentuação de, por ex. 5 em 5 tempos. Ficamos com:
UM 2 3 4 1 DOIS 3 4 1 2 TRÊS 4 1 2 3 QUATRO 1 2 3 4 UM...
Isto é um poliritmo dum 5 contra um 4. Em cada 5 compassos de 4 tempos voltamos a ter os uns sincronizados.
Se quisermos um sete contra um quatro:
UM 2 3 4 1 2 3 QUATRO 1 2 3 4 1 2 TRÊS 4 1 2 3 4 1 DOIS 3 4 1 2 3 4 UM...
Agora fizemos 7 compassos de 4 tempos até sincronizar os uns.
Experimentem aplicar estas acentuações quando estão a tocar um fill num quaternário. Se fizermos single strokes, pancadas simples alternadas, temos no 1º ex.:
D1 e2 d3 e4 d1 E2 d3 e4 d1 e2 D3 e4 d1 e2 d3 E4 d1 e2 d3 e4 D1...
NO 2º:
D1 e2 d3 e4 d1 e2 d3 E4 d1 e2 d3 e4 d1 e2 D3 e4 d1 e2 d3 e4 d1 E2 d3 e4 d1 e2 d3 e4 D1...
Outro exemplo de poliritmo ou polimetria, depende como o virmos, é tocar três compassos de quatro tempos com uma mão enquanto tocamos quatro compassos de três tempos com a outra, começando ambas no 1º um ao mesmo tempo e voltando no fim a acertar os uns. A melhor maneira que tenho para ilustrar isto aqui é com o diagrama em baixo.

Experimentem ouvir música tribal africana, nomeadamente a Mandinga, da zona do Mali, Costa do Marfim, da cena dos djembés e das dumdumbas. É um espanto de poliritmia. King Crimson tem também muito disto, Genesis da era Steve Hackett, Yes, Gentle Giants é bué de polirítmico, etc.
Também há muito na bateria do jazz, principalmente depois de Elvin Jones aparecer com a modulação métrica no seu fraseado.

Isto é óbviamente exequível em qualquer instrumento. É música, a qual só existe com ritmo. Sem ele não passa de som.
Os poliritmos são parte dos fundamentos do ritmo e da música em termos ancestrais, de há muitos milhares de anos atrás, no princípio da comunicação e da expressão musical dos primeiros homens das cavernas em África e nalgumas culturas dos dias de hoje é das coisas mais óbvias e naturais. Tanto no jazz como no clássico ou nas várias formas tradicionais, mais tarde ou mais cedo tem que se chegar lá. Alguns professores deixam para mais tarde por ser um tema "complicado". A minha experiência de aluno e de professor diz-me que essa postura é que cria a complicação. Todos os assuntos têm o seu estado mais fácil e mais difícil. Quanto mais cedo se começar a explicar, desmistificar, perceber e aplicar, melhor.

GuelBass&Drum Sáb, 6 de Maio de 2006 03:49

Oi João..

Assunto bastante interessante..

E para rápida percepção da explicação supra, o metrónomo é aqui (e mais uma vez), peça fundamental!.. Pois, actua como.. "prova-dos-nove".

Gostei ;).

Abraço
Miguel

footswitch Sex, 12 de Maio de 2006 11:37

É isso mesmo! Bom post ;)

Nestas cenas acho que o mais importante é sentir o ritmo... Na minhã opinião, tanto num caso como no outro, dispender demasiada concentração no que se está a fazer só atrapalha. Porque se pensarmos no que estamos a fazer com uma mão enquanto fazemos algo assimétrico com a outra, provocamos ritmos demasiado "quadrados" e corremos o risco de nos enganar! Cá para mim o melhor que há é ouvir essas batidas em boa dose, sentir o "bixinho" cá dentro e ir fazendo as coisas progressivamente. Uma boa maneira (digo eu) é dividir ou simplificar os ritmos dos diferentes membros e tocar um de cada vez. No fim juntar tudo e ver como fica!

Mais uma vez, obrigado João Timbalão pelos teus posts, são sem dúvida uma boa referência.

funkyvas Sex, 12 de Maio de 2006 16:12

Poliritmo 3\2... o mais simpls de todos...
 
AlO João!

excelente post!

queria perguntar-te se o k tens no esquema não é o poliritmo 3\2 ou multiplicando por 2 em ambos os lados seria 6\4...

Tenho estado a explorar um livro do Gavin Harrison k se chama Rhythmic Illusions, e tem ideias muito engraçadas, pegando em ritmos muito comuns e transformando-os e dando-lhes um nova "cara"... com " deslocamentos" de uma colcheia\semicolcheia pra frente ou pra tras no ciclo do ritmo...

tem tb algumas coisas acerca de modulações métricas...

se quiseres posso-te tentar enviar isso por e-mail... tens o livro com alguns exemplos tocados com metronomo, e alguns com melodias...

hasta...

keep drumming...

l3viathan Sex, 12 de Maio de 2006 21:57

boa joao timbalao, gostei muito desta rubrica. gostava, se tivesses possibilidade colocar mais exercicios de poliritmia. é algo que ja ando a bater a algum tempo! ja agora, tens alguma coisa do pattern swing de jazz em tres por quatro?

um abraço, francisco lacerda

João Timbalão Sáb, 13 de Maio de 2006 16:30

O exemplo que coloquei no post é um poliritmo dum quatro com um três ou de oito com seis.

Quanto ao livro, agradeço a tua disponibilidade mas eu tenho-o e, a par do Patterns do Gary Chafee são os meus preferidos para "brincar".

Miguel Martinho Seg, 23 de Junho de 2008 23:44

Re: Poliritmos
 
Há muita gente nova no forum e não sabe que estes tópicos existem.
Tomem uma aula grátis. :cheer2:


São agora 06:51. (horário GMT +1)

Copyright ©2001 - 2022, Fórum BateristasPT.com
Powered by vBulletin®
Copyright ©2000 - 2022, Jelsoft Enterprises Ltd.